músic

domingo, 8 de maio de 2011

finalmente feliz

O que é que pensavas? Que eu ia ficar presa a ti para sempre? Foste tu parvo em enganares-te com tal coisa, portanto, agora, desengana-te, porque hoje, e só porque é domingo, eu acordei bem disposta e comi a minha sandes de carne habitual. Estava eu para me preocupar com o que fosse. Eu só queria estar bem, feliz, sei lá. Como já não me sentia a algum tempo e sim, consegui, até ao momento em que algo, da tua parte, me estragou o dia. Ups, enganei-me. Isso é impossivel, porque nada do que tu faças irá estragar a minha felicidade, a minha vontade de viver. Se antes de te conhecer era feliz, bastante feliz até, porque é que agora, que te conheci e que estabelecemos uma meia relação não posso ser? Oh miúdo, tu aqui não és, praticamente ninguém. És apenas aquele com quem eu estabelecia relações de afecto, de carinho. Mas como não as recebia, e sendo muito directa, caguei-me para isso. Não, não me caguei para ti, até porque não consigo, mas caguei-me, sei lá, para o que me atromentava todos os dias, desde o momento em que acordava até ao momento em que adormeçia. Agora percebe, tu e toda a gente, eu sou feliz, estando contigo ou sem ti.

(se percebes-te a forma como estão distribuidas as fotografias, tenho a certeza que és bom observador/a)

8 comentários:

  1. ée sim, mas como aqui dizes "Oh miúdo, tu aqui não és, praticamente ninguém.". É assim mesmo, por muito que isso por agora só seja uma meia verdade. acredito que mais tarde ele não vai significar nada!
    força, muita força.*

    ResponderEliminar
  2. Isso mesmo, eu consegui ser feliz quando vi que era feliz c ou s a pessoa que eu achava importante.

    ResponderEliminar
  3. é assim mesmo temos de seguir em frente .
    oh o texto foii feito a pressa , mas ele sabe o quanto significa pra mim :b

    ResponderEliminar
  4. Muito bem estruturado, sentido e forte ;)

    Muito obrigado pela visita ;)

    ResponderEliminar
  5. gostei do blog, vou seguir (:

    ResponderEliminar

sem medos, nem vergonhas, todos somos seres humanos.